Contacto direto
igus® Lda.

Rua Eng. Ezequiel

Campos, 239

4100-232 Porto

+351 226 109 000

Perguntas frequentes iglidur®


1. Como reparar um casquilho deslizante iglidur® numa chumaceira?

Os casquilhos deslizantes iglidur® são projetados de tal maneira que podem ser pressionados num alojamento (com uma tolerância H7) com o tamanho nominal do diâmetro externo do casquilho e serem fixados depois pelo encaixe de pressão. Isso é realizado pelo chamado excesso do encaixe de pressão, isto é, o diâmetro externo do casquilho é, dependendo do tamanho nominal, cerca de 0,1 a 0,25 mm maior que o alojamento no estado sem pressão. O diâmetro interno também atinge as suas tolerâncias e dimensões finais quando encaixado por pressão.


2. Porquê que existem tantos materiais iglidur® diferentes?

A variedade dos materiais iglidur® desenvolvidos a partir da obrigação de atender uma variedade de exigências dos consumidores nas últimas três décadas. O desenvolvimento de um bom material de casquilho está frequentemente relacionado com a transformação de um círculo num quadrado. Se melhorar numa direção específica, deve-se maioritariamente às custas de outra função. – A grande maioria das aplicações abrange um dos cinco materiais standard - iglidur® G, J, X, W300 e M250.
No entanto, em aplicações sofisticadas, de exaustão das últimas reservas técnicas, ou da última otimização preço/desempenho para um produção em grande volume, outros materiais iglidur® tornam-se cada vez mais importantes. Nos últimos anos, os limites de aplicação dos casquilhos deslizantes em funcionamento seco também mudaram através dos novos materiais iglidur®.


3. Como são estruturados os materiais iglidur®?

Além das propriedades gerais, cada material dos casquilhos iglidur® possui uma série de propriedades particulares que fazem com que sejam apropriados para certas aplicações e necessidades Mais informações sobre a estrutura


4. Como escolher o material iglidur® adequado?

Com alguns dados da aplicação, uma pré-seleção e um cálculo da vida útil já são possíveis através do localizador de produtos iglidur® e do indicador de vida útil iglidur®, respectivamente. Assim, a grande diversidade de materiais é rapidamente filtrada e os materiais apropriados permanecem.


5. O configurador iglidur® refere que o iglidur® W300 e o iglidur® J são os materiais mais duradouros.
Qual deles devo escolher?

Tanto iglidur® J quanto iglidur® W300 pertencem aos casquilhos mais polivalentes e resistentes ao desgaste da gama iglidur®. Se a vida útil é comparável e suficiente em ambos os casos, os parâmetros limite devem decidir sobre a seleção da aplicação: O iglidur® J é ideal para áreas húmidas devido à baixa absorção de humidade e uma boa resistência química, e o iglidur® W300 oferece mais reservas de temperatura.


6. Como conseguem os casquilhos iglidur® funcionar sem lubrificação?

Devido às estruturas especiais dos materiais iglidur®, que geralmente são compostos por uma matriz termoplástica, reforço de fibra e os chamados lubrificantes sólidos... As já boas propriedades de atrito e desgaste do material matriz ou base são otimizadas ainda mais pelos lubrificantes sólidos. Em funcionamento, as partículas de lubrificantes sólidos são sempre suficientes na superfície do casquilho. Uma lubrificação externa adicional com graxa ou óleo geralmente não é prática nem necessária. Vídeo sobre a questão


7. Acho as medidas dos casquilhos deslizantes iglidur® significativamente maiores do que indicadas no catálogo.
Porque razão?

Os casquilhos iglidur® são casquilhos de encaixe por pressão para alojamentos com um orifício standard H7. Por um lado, este encaixe de pressão fixa os casquilhos ao alojamento e, por outro, o diâmetro interno dos casquilhos é formado somente por isso.
O teste dos casquilhos é realizado em condição instalada num orifício com a menor dimensão. Se os casquilhos são medidos sem estarem pressionados, são maiores do que em condição instalada, tanto no diâmetro interno como no externo pelo excesso do encaixe de pressão.
Se não houver cuidados no fabrico e instalação dos casquilhos, variações e problemas relacionados com as dimensões e tolerâncias das dimensões de instalação. As possíveis razões para isso são:

A posição dos planos de medição

O furo não é chanfrado normalmente

Um pino central é utilizado para aumentar o diâmetro interno dos casquilhos quando estes são pressionados para o interior.

O furo não corresponde a uma tolerância H7.

O alojamento é feito de um material suave que é alargado pelo casquilho quando pressionado.

O veio não tem tolerância H.

A medição não é feita normalmente.

Medição de calibre do pino dos casquilhos deslizantes iglidur®

8. Preciso somente de um par de casquilhos deslizantes. O preço não é relevante.
Qual é o melhor casquilho iglidur®?

Infelizmente, não existe o "melhor casquilho deslizante iglidur®". Mesmo o casquilho deslizante mais caro não possui a vida útil mais longa em qualquer aplicação. Mas existe o melhor casquilho deslizante iglidur® para a sua aplicação.
É importante fazer a escolha do casquilho de acordo com a aplicação. Quanto mais souber sobre a aplicação, conseguimos escolher de forma mais precisa, técnica e económica, o casquilho mais adequado.


9. É possível escolher a cor de um casquilho deslizante iglidur®?

Infelizmente não, a cor geralmente resulta da composição do material respetivo e frequentemente há apenas corantes individuais que são adequados para um material e também não influenciam negativamente as suas propriedades tribológicas. Acima de tudo, as características de desgaste dependem da composição do material (o que também inclui o corante) e um novo aditivo de cor aumenta na maioria das vezes o desgaste. Assim, cada material iglidur® possui uma certa cor, mas alguns materiais são quase idênticos.


10. Como montar um casquilho deslizante iglidur®?

Os casquilhos deslizantes iglidur® são casquilhos de encaixe de pressão. O diâmetro interior é ajustado com a tolerância H7 do alojamento. A dimensão antes do encaixe pode ser sobredimensionada até 2%, em relação ao diâmetro interno. Desta maneira é conseguida a fixação segura do casquilho. Os deslocamentos radiais e axiais no alojamento são seguramente evitados dessa forma.
O orifício no alojamento deve ser feito na tolerância H7 em todos os casquilhos e deve ser suave, igualado e chanfrado até onde for possível. A montagem é feita através de uma prensa. A utilização de mandrisde centragem ou calibres pode ter como consequência danos no casquilho e criar uma folga maior.

Encaixe de força de casquilho deslizante iglidur®

11. Quais são recomendados para colar os casquilhos deslizantes iglidur®?

Nos casos standard, temos várias experiências muito boas com supercolas (p. ex. Loctite 401). Para materiais como o iglidur® J, que são difíceis de colar, os sistemas de 2 componentes (p. ex.. Loctite 406 + Primer 770) resultam melhor. Para aplicações com temperaturas mais altas, temos boas experiências com sistemas em resina epóxi (p. ex. Hysol).
Além disso, para cada conexão de colagem, é essencial que as peças estejam completamente limpas e livres de graxa. Isso pode ser feito com detergentes profissionais, mas também simples desengordurantes de atuação rápida. Tornar as superfícies de contato mais ásperas otimiza o efeito adesivo. A colagem geralmente pode ser apenas uma medida de suporte e não substitui completamente o encaixe de pressão.


12. Porquê um casquilho deslizante iglidur® em plástico respeita o meio ambiente?

1.1. Os casquilhos em iglidur® N54 da igus® são feitos com 54 por cento de matérias primas renováveis.

O sapo Kermit diz, "Não é fácil ser verde. " e apesar de ser apenas um boneco, Kermit tem um argumento - hoje em dia, muitas empresas estão a trabalhar arduamente para reduzir a sua pegada de carbono no meio ambiente. No entanto, tornar uma operação mais "amiga" do ambiente não acontece da noite para o dia. É geralmente a combinação de pequenas mudanças que ocorrem com o tempo, em várias áreas diferentes. Enquanto projetista de que forma pode contribuir para esta causa? Embora possa parecer insignificante, utilizar casquilhos em plástico pode diminuir significativamente quaisquer efeitos negativos no ambiente.

Seguem quatro razões para utilização de casquilhos em plástico que respeitam o meio ambiente:

1. Casquilhos em plástico não exigem lubrificação, o que mantém o ambiente mais limpo. Estima-se que 2 biliões de galões de lubrificantes industriais sejam consumidos anualmente nos Estados Unidos e que cerca de 40 por cento deles sejam descartados no meio ambiente. Devido a avanços contínuos nas tecnologia de casquilhos em plástico tribologicamente otimizados, a igus® é capaz de fornecer alternativas aos casquilhos metálicos mais alinhadas com as considerações ambientais para um número crescente de aplicações. Ao contrário dos casquilhos de bronze ou metal que exigem uma lubrificação problemática, todos os casquilhos em plástico utilizam lubrificantes sólidos embutidos. O que significa que os casquilhos não necessitam de nenhum óleo ou graxa e, portanto, nenhum contaminante é liberado no meio ambiente.

2. Os casquilhos em plástico são extremamente leves, o que ajuda a reduzir o consumo de combustível e a emissão de dióxido de carbono. O baixo peso leva a massas mais reduzidas e sconsequentemente a um consumo menor de energia.

3. A elevada resistência dos casquilhos em plástico aos químicos é outro aspecto ecológico. Os metais geralmente necessitam de ser revestidos utilizando um elemento agressivo ao meio ambiente, banho de galvanização de zinco com elevado consumo de energia.

4. É preciso menos energia para produzir um casquilho em plástico em comparação com um casquilho metálico. Por exemplo, a energia de 15 litros de óleo para produzir 1 litro de alumínio, e a energia de 11 litros de óleo para produzir 1 litro de aço. Comparativamente, é preciso apenas 1 litro de óleo para criar 1 litro de plástico e esperamos que este valor caia ainda mais com base em descobertas contínuas no campo dos plásticos baseados em óleo vegetal.

Quanto mais pesado é um material, mais energia é necessária para mantê-lo em movimento.

13. Como é que o casquilho deslizante iglidur® em polímero influencia a seleção do eixo?

1. Fatores de custo

Gama de casquilhos deslizantes em plástico iglidur®

Reduzir os custos é um fator importante para a maioria das empresas. A utilização de veios de materiais de baixo custo depende da escolha dos casquilhos.
 
Por exemplo, os casquilhos esféricos exigem veios lisos e muito rígidos (60HRC ou acima). Casquilhos em bronze são semelhantes: O veio deve ser mais rígido que o material utilizado em bronze. Deviso a estas exigências, as opções de veio são limitadas. Veios mais baratos podem não ser adequados para a sua aplicação.
Os casquilhos em plástico oferecem mais opções, uma vez que que podem funcionar com muitos tipos de veios diferentes. Os casquilhos deslizantes iglidur® da igus® estão disponíveis numa vasta gama de materiais:
Assim poderá combinar o veio de menor custo com o casquilho iglidur® mais adequado para a aplicação e/ou vida útil necessária. O casquilho e o veio precisam de ter apenas a mesma vida útil de toda a máquina/dispositivo. Porquê selecionar um veio mais caro e/ou um casquilho de preço elevado que dure mais que a sua máquina?

2. Aspetos do desgaste

Danos de corrosão, como consequência do veio ser muito liso.

Além do custo, existem várias situações a considerar ao projetar veios num sistema de casquilhos. São várias as situações que podem afetar a performance dos casquilhos utilizados caso não sejam levadas em consideração. Se o veio for muito áspero, o desgaste pode ser um problema. Um veio extremamente áspero pode atuar como uma lima e retirar pequenas partículas da superfície do casquilho durante o movimento. Com veios muito lisos, pode ocorrer um aumento da atrito se as superfícies do veio e rolamento aderirem uma à outra. Quando há uma grande diferença entre atrito dinâmico e estático, a adesão ao longo da lateral entre as superfícies de contato, stick-slip - caracterizada por um ruído elevado - pode ser um problema.


Outra consideração é como as partículas duras e moles podem danificar casquilhos e veios. Se as partículas se alojarem entre o casquilho e a sua superfície de contato, ambas podem sofrer um desgaste elevado. Sujidade, poeiras e fibras de papel são apenas alguns dos elementos que podem causar problemas. Casquilhos autolubrificados através de lubrificantes sólidos embutidos duram mais em ambientes agressivos, uma vez que não há gorduras nem óleos na posição do casquilho. O que significa que as partículas de sujidade não são atraídas nem se alojam no veio nem no casquilho (como pode ser observado, por exemplo, numa corrente de bicicleta lubrificada). O que também permite a utilização de eixos mais económicos, mesmo em aplicações com sujidade. Há vários materiais de veios no mercado, e cada um deles reage de maneira diferente relativamente ao desgaste do casquilho. Isso inclui, entre outros, alumínio, aço endurecido, aço inoxidável e aço revestido de cromo. As condições de aplicação e as exigências de duração de vida são decisoras na escolha do veio a utilizar. Ao selecionar um casquilho deslizante iglidur®, pode ser utilizado qualquer tipo de veio standard.

Testes de desgaste com veios em alumínio

Veios de cromoduro, por exemplo, são muito duros, mas também bastante lisos. O desgaste dos casquilhos deslizantes em plástico iglidur® é, em média, menor neste tipo de veio do que noutros. Um efeito stick-slip pode ocorrer em casos individuais devido à baixa aspereza da superfície. Para áreas húmidas e processamento de comida, é preferêncial a utilização de aços inoxidáveis, enquanto que o alumínio com revestimento duro é adequado para aplicações com menos carga. Os melhores coeficientes de atrito são atingidos em conexão com o iglidur® J.
 


14. Como funciona a medição de calibre do pino?

1.1 Entre outras coisas, a igus® assegura através de uma inspeção de medição, chamada também de teste "aprovado/não aprovado" que os seus casquilhos estão em conformidade com as especificações e funcionam adequadamente após a instalação.
 
Primeiro, os casquilhos são pressionados num alojamento de teste. Aqui, é necessário ter cuidado para que os casquilhos sejam montados sem danos. Para isso recomendamos um chanfro na inserção – idealmente de 25-30 graus. Além, disso, recomenda-se uma prensa com ajuste de pressão para pressionar os casquilhos. Este é o método de instalação mais eficiente. É extremamente importante para preservar a integridade do casquilho. Por exemplo, se utilizar um martelo, a instalação do casquilho pode ficar desigual.
 
1.2 A igus® recomenda a utilização de uma prensa para realizar o encaixe de pressão do casquilho durante a instalação.
 
A instalação do casquilho é seguida pela inspeção da medição real. Um "aprovado" significa que o pino cai pelo casquilho sob o seu próprio peso, enquanto um "não aprovado" ocorre quando o pino não cai através do casquilho. Geralmente, as medidas são classificadas em etapas de 0,01 mm, o que torna possível determinar de forma precisa qual o tamanho que cada medida comporta.
 
Um teste de medição é o controlo de qualidade com a precisão mais alta possível, porque o pino atua como um eixo numa aplicação real e reproduz o diâmetro mais estreito do casquilho. Geralmente é este aspecto que é decisivo para a aplicação. Inspeções de medida são particularmente adequadas para casquilhos em plástico, já que a "desigualdade" do casquilho devido à moldagem por injeção não é considerada. A superfície deslizante ideal desenvolve-se durante o período de início de produção, quando as desigualdades do casquilho e do veio se aplainam.
Enquanto outros testes podem ser utilizados para verificar a qualidade de um casquilho, pode ocorrer uma falta de precisão ao aplicar estes métodos a casquilhos de plástico. Especialmente a utilização de um calibrador deve ser evitada. Calibradores, dependendo do nível de precisão, geralmente são aceitáveis apenas para testes de qualidade mais rápidos. A medição pode falhar dependendo da pressão aplicada pelo medidor no ponto de medição. Por esta razão, um teste de medição é bastante fiável.
 
Dependendo da acessibilidade, o teste descrito também pode ser realizado diretamente no componente de série (e não no alojamento feito especificamente para testes).
 


15. O quê que torna o casquilho deslizante em polímero tão especial?

Um casquilho deslizante estruturado de forma homogênea com propriedades previsíveis feito de plástico de elevada performance.

Alguns engenheiros hesitam em utilizar casquilhos de plástico nos seus projetos. Talvez por confiarem durante anos nos casquilhos metálicos, pensam que os plásticos não são capazes de lidar com aplicações e ambientes agressivos. Os casquilhos em plástico, podem suportar temperaturas extremas, cargas pesadas e velocidades elevadas. Entretanto, é importante compreender tanto as vantagens como as desvantagens das opções disponíveis. Casquilhos em polímeros autolubrificados contêm lubrificantes sólidos, embutidos em partículas minúsculas no material homogêneo. Em funcionamento, estes lubrificantes sólidos reduzem o coeficiente de atrito. Eles não podem ser lavados com gordura e óleo devido à sua estrutura homogênea, eles são distribuídos por toda a espessura da parede do casquilho. Ao contrário de uma estrutura em camadas, toda a espessura da parede do casquilho está disponível como zona de desgaste com propriedades deslizantes praticamente idênticas.

A maioria dos materiais iglidur®, contém materiais de reforço com forças de compressão elevadas. Isso ajuda a suportar as forças elevadas e as cargas de extremidade.
Devido a esta estrutura, os casquilhos deslizantes iglidur® podem ser utilizados numa vasta gama de veios - dependendo da carga, mesmo nos chamados veios macios. Assim, poderemos sempre encontrar uma solução económica.

Casquilhos compostos são feitos de diferentes camadas. A camada deslizante macia pode ser facilmente danificada por partículas estranhas ou manuseio indevido.

Os casquilhos em plástico iglidur®, não são um simples casquilhos em plástico, são um componentes testados, comparados e disponíveis. Vantagens:

1. Isentos de lubrificantes: casquilhos autolubrificados contêm lubrificantes sólidos. Eles diminuem os coeficientes de atrito e são resistentes à sujidade, poeiras e outros poluentes.

2. Isento de manutenção: Casquilhos plásticos podem substituir os de bronze, casquilhos moldados por injeção e revestidos em metal em quase todas as áreas de aplicação. A resistência à sujidade, poeiras e químicos fazem dos casquilhos em plástico a melhor solução.

3. Redução de custos: casquilhos em plástico podem reduzir os custos em 25%. Eles apresentam elevada resistência ao desgaste, baixo coeficiente de atrito e podem substituir alternativas mais caras de várias aplicações.

4. Baixo coeficiente de atrito e desgaste: Graças à sua estrutura, os casquilhos em plástico garantem um baixo coeficiente de atrito e desgaste durante a sua vida útil. Comparados aos casquilhos metálicos, cujas camadas de deslizamento podem ser danificadas, por exemplo pela sujidade, os casquilhos em plástico geralmente duram mais.

5. Isentos de corrosão e com elevada resistência química: casquilhos deslizantes não enferrujam e são resistentes a condições climatéricas.


16. Qual é a principal competência da igus® em relação aos casquilhos deslizantes em polímero?

Todos os anos o engenheiros igus® desenvolvem mais de 100 novos materiais

Ao longo dos anos, os engenheiros da igus® desenvolveram centenas de compostos materiais, dos quais quase 40 foram inseridos no catálogo de casquilhos em polímero. Em princípio, a configuração é praticamente a mesma:
 

1. Polímeros básicos que pré-determinam as propriedades básicas tribológicas, mecânicas, térmicas e químicas do material.

2. Materiais de fibras e preenchimento que fornecem os casquilhos com uma elevada capacidade de carga

3. Lubrificantes sólidos que otimizam significativamente o atrito e o desgaste

A igus® desenvolve continuamente novas misturas de polímeros para todos os tipos de aplicação e faz mais de 10 000 testes no seu laboratório por ano. Ao contrário de outros fabricantes de casquilhos, a igus® foca-se exclusivamente em plásticos de elevada performance, sendo capaz de processá-los de forma económica em casquilhos deslizantes através da moldagem por injeção. Os casquilhos desalizantes em polímero são utilizados em vários ramos, nomeadamente: agricultura, medicina, indústria automotiva, embalagens, aviação, equipamentos desportivos, engenharia mecânica, etc. Além disso, a igus® armazena os resultados dos testes numa base de dados extensa. Após os testes de cada mistura de polímeros, os resultados são adicionados a uma base dados para um programa exclusivo de cálculo da duração de vida: o configurador permite a introdução das temperaturas, velocidades e cargas máximas, materiais de alojamento e veio da aplicação para calcular o melhor casquilho deslizante e a sua previsão de duração de vida.


17. Quais são os fatores que influenciam o desgaste dos casquilhos deslizantes?


1. Inspeção de desgaste de um casquilho deslizante em polímero iglidur® da igus® em movimento de oscilação.
 
Fatores que influenciam:

Seleção do veio: são recomendados veios de materiais diferentes para diferentes tipos de casquilhos deslizantes. Cada combinação veio/casquilho possuirá diferentes resultados de desgaste.

Carga: Com cargas radiais elevadas e/ou pressões de superfície, o desgaste dos casquilhos deslizantes também aumenta. Alguns casquilhos deslizantes são projetados para cargas baixas e outros para cargas altas.

Velocidade e tipo de movimento: Com o aumento da velocidade, o desgaste também aumenta. O tipo do movimento (linear, giratório e oscilatório) possui uma influência considerável na taxa de desgaste.

Temperatura: Dentro de certos limites, a temperatura praticamente não afeta o desgaste do casquilho deslizante, mas pode acelerar exponencialmente o desgaste. Dependendo da escolha do material, os casquilhos plásticos são de facto adequados para uma ampla faixa de temperatura. Entretanto, quando a temperatura máxima da aplicação é excedida, o desgaste pode aumentar significativamente. Na maioria dos materiais iglidur® a taxa de desgaste aumenta com as temperaturas elevadas. Também há exceções, que atingem um desgaste mínimo a temperaturas mais altas.

Sujidade envolvente: a sujidade e poeiras podem acumular-se entre o eixo e o casquilho. O que causa desgaste. Os casquilhos deslizantes autolubrificados são vantajosos nesta situação: funcionam sem óleos e assim, não marcam o veio nem danificam o casquilho.

Contacto com químicos: Os casquilhos deslizantes em polímero são completamente isentos de corrosão e têm elevada resistência química, mas alguns químicos podem alterar as propriedades estruturais do casquilho, como diminuição da rigidez e aumento do desgaste.


2: Testes de desgaste utilizando diferentes tipos de veios.
 
Aplicável a todos estes pontos é: quanto mais conheço minha aplicação e os parâmetros mencionados, a indicação de vida útil e a seleção do material iglidur® tornam-se mais precisos. A seleção do material correto é decisiva para a vida útil.
 


18. Qual é o efeito do desgaste do casquilho deslizante na sua tolerância?

O desgaste do casquilho deslizante significa a remoção do material na superfície deslizante, o que geralmente significa remoção no diâmetro interno do casquilho.

A folga entre ocasquilho e o veio pode ser calculada a partir das suas tolerâncias.


A folga inicial é a diferença entre o diâmetro interno real medido do casquilho e o diâmetro externo real medido no veio. O desgaste no diâmetro interno do casquilho proporciona um diâmetro elevado e, consequentemente, a um aumento na folga.
Como os casquilhos deslizantes iglidur® não possuem uma estrutura em camadas, a espessura da parede do casquilho faz com que o mesmo não possua um limite de desgaste. Em vez disso, o limite de desgaste é determinado pela folga máxima permitida na aplicação. Pode variar bastante dependendo da aplicação e das exigências do utilizador. Válvulas de controlo de precisão permitem alguns centésimos de desgaste (e aumentam a folga). Em aplicações agrárias com diâmetros de eixo maiores que 50 mm, uma folga significativamente maior de um milímetro não é crucial.


19. Quando utilizar um rolamento de esferas xiros® em vez de um casquilho deslizante em polímero iglidur®?

Em geral, os rolamentos de esferas xiros® são preferíveis aos casquilhos deslizantes iglidur® em todas as situações onde os movimentos rotativos podem ocorrer continuamente a uma velocidade de 1,5 metros/segundo com cargas baixas. Em comparação com os casquilhos deslizantes, os casquilhos deslizantes em polímero têm um valor de fricção significativamente inferior o que gera menos calor e apresenta menor desgaste.
 
O diâmetro interior do rolamento de esferas é um parâmetro-chave. Como o diâmetro interior se torna mais pequeno, o rolamento realiza menos rotações por minuto o que tem um impacto positivo no calor gerado e na transferência térmica. Como o diâmetro do rolamento de esferas aumenta, a capacidade de carga máxima do rolamento aumenta e a velocidade rotacional máxima diminui.


20. O que é o efeito de arranque brusco ("stick-slip")?

O efeito "stick-slip" refere-se às características deslizantes intermitentes quando dois corpos sólidos deslizam um no outro. O fenómeno ocorre quando um corpo é movido e a fricção estática é significativamente maior do que o atrito dinâmico.
 
Imagine empurrar uma caixa de cartão pesada pelo pavimento sem rugosidade. A caixa de cartão é pesada, por isso, é necessário aplicar bastante força para ultrapassar a fricção estática, ou seja, a resistência da caixa de cartão ao movimento. A caixa de cartão desliza. Devido à superfície sem rugosidade e à baixa fricção dinâmica daí resultante, o cartão rapidamente acelera. Na medida em que caixa de cartão desliza rapidamente, apenas conseguimos transferir uma pequena força para a caixa de cartão. Assim, a força aplicada na caixa é insuficiente para se sobrepor à sua fricção estática. A caixa de cartão pára, quando for necessário aplicar novamente força para ultrapassar a fricção estática e o processo repete-se. Parar - afastar-se - deslizar - desacelerar - parar - afastar-se... de facto, este processo é feito a uma velocidade maior e surge ruído. .
 
Este fenómeno acontece num grande número de aplicações. O limpa-para-brisas fricciona o para-brisas de um veículo. Quando apoiado num ângulo incorreto, o giz do quadro range ao escrever. As dobradiças da porta rangem. Os instrumentos de corda como os violinos, violoncelos não funcionariam, visto que as notas são criadas pelas oscilações e vibrações criadas pelo efeito "stick-slip" entre as cordas e o fio dos arcos. .

1. Força > fricção estática
A força (vetor 1) sobrepõe-se à fricção estática (vetor 2). A caixa de cartão inicia o movimento.
 
2. Força = fricção estática
A fricção estática é transformada em fricção dinâmica (vetor 2) e a caixa de cartão desliza rapidamente.
 
3. Força < fricção dinâmica
A força (vetor 1) é insuficiente para superar a fricção dinâmica (vetor 2).


21. Os casquilhos deslizantes iglidur® são compatíveis com a RoHS e o que significa, de facto, RoHS?

A diretiva da UE 2002/95/CE ("RoHS 1") foi substituída pela diretiva da UE 2011/65/RU ("RoHS 2") a 3 janeiro de 2013.
A diretiva regulamenta as restrições de materiais indesejados nos equipamentos elétricos e eletrónicos vendidos na UE. A abreviatura RoHS significa "Restriction of Hazardous Substances" - Restrição (do uso) de determinadas substâncias perigosas.
Os valores-limite específicos são determinados, visto que há limitações técnicas em vários materiais e produtos que não permitem uma eliminação completa.